Faz tempo que quero conseguir escrever sobre as diferenças entre viajante e turista.

Tenho certeza que você julga turista aquele perdido de camisa estampada e câmera pendurada no pescoço né? Pois é, mas será que é sempre assim?

Muita gente aqui me manda e-mail ou mensagem pedindo dicas de restaurantes que não são pega turistas, onde os nativos vão. Não é isso que vai te fazer um turista ou não, ok? Tem muito restaurante de turista bom!

Acho que esse é um Filosofando muito bom para o Blog, até porque há uma enorme diferença entre viajar e fazer turismo.

Viajante Turista

Pra mim, o viajante é aquele que não se sente só quando viaja sozinho ou fora do ninho quando está fora de casa porque se entrega ao Destino e às descobertas de novas pessoas e de novos lugares e sente tanto prazer nessas experiências inéditas quanto manter a vida em casa.

Viajante é aquele que respeita o Destino como seu lar temporário e que sabe interpretá-lo da maneira que ele é e não de como deveria ser para si. Ir para o Japão e esperar que a cultura, a moda, a culinária seja melhor ou igual à nossa é um belo de um exemplo de um clássico Turista. Não compare coisas incomparáveis. Não saia do seu mundo encantado (ou não) e julgue os outros com os seus olhos.

Abra seus olhos pro novo, dentro do universo em que ele está!

O Turista é aquele que chega em Madri e quer conhecer o restaurante mais antigo do mundo, ou melhor, a real intenção é contar que já esteve lá.

Mas te garanto, mesmo que você ache a comida sensacional (eu não achei!) ele será apenas mais um restaurante da sua vida se você não souber a história do local e entender dos porquês dos pratos daquele cardápio.

Viajar como turista enjoa. Inclusive custa muitos dinheiros né? Gastar dinheiro para entrar e sair de mais um hotel, de mais um museu, de mais um restaurante? O turista gosta de viajar para quebrar a rotina, distrair e etc. O viajante gosta de viajar porque é uma oportunidade de evolução, de mudar um pouquinho.

Acho que o viajante procura lugares relevantes não para os outros, mas para si ou para aquela cultura que se conhece, ele procura ir ao restaurante mais antigo do mundo por um motivo que acrescente alguma coisa. Porque lá servem um prato único que serviam na época XYZ e pra aquela pessoa seria interessante saber o que as pessoas comiam na época… enfim.

Nem tudo precisa de um motivo histórico e culto, mas precisa de um motivo pessoal e real. Fuja daqueles roteiros batidão dos guias padrões de “O que conhecer em Paris”. Cuidado, a Paris da sua tia avó pode não ser a sua mesma Paris. E depois você vai me voltar aqui e dizer que esperava mais e que não achou tudo isso que eu falo!

Se você não souber o que a Torre Eiffel significa para a França ela será apenas um cenário… mais uma torre, igualzinha, ou no máximo, bem maior do que você vê nas fotos. Você poderá fazer as fotos clássicas de empurrar a torre (já fiz), de segurar a torre como chaveirinho (já fiz também). Mas e aí? Você vai voltar pro seu sofá sem saber nadica a mais daquilo?

Acho que deve cansar ir pra Pisa, Paris e todos cantos com torres só pra tirar as fotos né? Então pra mim, de duas, uma: ou Turista cansa de ser turista e vira viajante ou ele cansa de viajar.

Imagina o saco que seria ver 8000 Museus, Igrejas, praças e Obeliscos sem saber a diferença entre eles? Seria a mesma coisa de entrar em tudo quanto é loja e ver a mesma coleção exposta na arara.

Não, nenhum viajante mega power adora visitar 8000 igrejas em uma viagem (a não ser que esse seja o único objetivo da viagem).

Enfim, tá dando pra entender o fio da meada?

O negócio é que gastar dinheiro para sair de casa tem que ser algo prazeroso. Sabe aquela sensação de que viajar é bom, mas que voltar pra casa é melhor ainda? Não me pergunte porque, mas eu NUN-CA tive isso. Sempre rola uma mini depressão no último dia. Talvez eu ainda descubra que o meu lar é onde eu estiver e basta.

Bom, voltando… Se você é um turista assumido… Ou seja, não se interessa pelo que o mundo tem a te contar, não perca seu tempo e dinheiro tentando ser um viajante. Isso não é uma crítica. Tem gente que prefere o próprio mundo ué… simples assim.

Se você é turista e só quer comer bem, comprar alguma coisa pela metade do preço que pagaria no Brasil, ir à uma balada da moda, ok? Não fuja da viagem que você gosta de fazer só porque a cidade é cheia de museus! Você merece uma viagem com a sua cara. Todo mundo merece uma viagem com a própria cara!

Por isso, to aqui pra contar que o Destinos e Receitas começará à vender guias exclusivos. Você vai preencher um formulário pra eu saber quem é você e quais os seus interesses e eu vou montar um guia pra você… VIAJANTE ou TURISTA, com espírito jovem ou velho… com orçamento gordo ou magro… Você precisa conseguir curtir TODOS os destinos a que se propor ir!

Suas férias merecem algo que tenha a sua cara e não a do guia da prateleira da loja!

tourist-vs-traveler

Adorei a foto! (foto de gomio.com)

É importante você saber quem é você antes de viajar isso vai lhe poupar muito tempo e dinheiro.

Também é importante você não generalizar. Não me venha dizer que passou 3 dias na Irlanda e que não recomenda porque é um saco e que eu não devo ir. Talvez eu possa gostar do que você detesta. Primeiro, impossível formar a ideia sobre um país inteiro em 3 dias. A Irlanda, por exemplo, existe desde sei lá quando e fazia parte do Reino Unido e só se tornou independente dele em 1919, tipo há quase 100 anos. Ou seja, não será em 3 dias que você vai entender as suas pessoas, os seus prédios, as suas comidas e costumes.

O interesse pelo destino traz a compreensão, que traz a paixão e, dependendo de como for, até uma sintonia… se o lugar tem a sua cara você vai se apaixonar à primeira vista, se não tem você se apaixonará à segunda vista. Essa é que é a verdade.

Quando você entende o lugar você o ama, fato. Assim como amamos o Brasil apesar dos pesares. Você deve estar aí discordando já né, xingando todos os defeitos, mas chega o primeiro final de semana você coloca as suas havaianas e pede uma porção de torresmo e uma Brahma trincando no boteco, pendura  a conta e sai feliz da vida com o nosso jeitinho né?

O turista se entrega aos guias, o viajante se entrega ao destino e à si. O turista sempre estará feliz (e levemente com pressa) em uma viagem, já o viajante… depende muito! hahaha

Quer tentar ser um pouco mais viajante na próxima viagem? Entre num restaurante e peça para o garçom escolher o prato sem olhar o cardápio, que tal?? Ah, de preferência dê um orçamento ao moço, ok? Aventure-se!

Pois bem, acho que sou uma ótima turista, porque adoro ser viajante as vezes. Assim nada enjoa…